• Dra Karolina Frauzino

Dois tipos completamente diferentes de trombose!

Atualizado: Mai 30


Esse é um post básico pra quem teve trombose recentemente, para te ajudar a não se atrapalhar com os conteúdos que tem por aí na internet, achando que todos são pra você ou que todos são sobre você.


Por quê?

Temos dois tipos diferentes de trombose e a maioria das informações que damos para um não vale pro outro!

Informações como causa, formas de prevenção, tratamento e consequências.


Então decora aí os dois tipos:

  1. Trombose arterial

  2. Trombose venosa


E o que elas têm em comum: em ambas temos formação de coágulo (também chamado de trombo) dentro de um vaso sanguíneo para os quais usamos, dentre outros remédios, anticoagulante para tratar.



Só. Mais nada. O resto é tudo diferente!


Daí quando um amigo se preparar para contar do vizinho/parente/amigo de amigo que já teve trombose, o que você vai dizer?

- Pára tudo: é trombose arterial ou é trombose venosa? Se for diferente da que eu tenho, nem me conta!


Estou falando sério: eu realmente quero que você faça isso, pois informação que não te serve só vai te confundir e te passar medo!


Agora vamos lá pra eu te explicar as duas.



Trombose arterial


É causada pela formação de coágulo (trombo) dentro de uma artéria, que é o vaso sanguíneo que leva sangue do coração para os órgãos: para o cérebro, para a perna, para o braço, para o intestino e até mesmo para irrigar o próprio músculo do coração.


Imagina uma pessoa:

Homem ou mulher de 60 anos de idade que tem diabetes (e não trata), tem pressão alta (e não trata), tem colesterol alto (e não trata) e fuma.


Essas doenças, juntas ou separadamente, promovem deposição de gordura dentro das artérias, que vão gradualmente entupindo essas artérias até que evoluem com o entupimento total de uma delas, pela gordura+coágulo.


Resultado:

Trombose arterial, que quando acontece no coração a gente chama de infarto, quando acontece no cérebro a gente chama de derrame, quando acontece no intestino a gente chama de isquemia intestinal e quando acontece na perna a gente chama de trombose arterial mesmo.


Nesse caso a prevenção está diretamente ligada à prevenção e ao tratamento das doenças que eu falei: diabetes, pressão alta, colesterol alto e tabagismo.


E as consequências da trombose arterial?

Bom, pras consequências precisamos de um vídeo à parte, pois pode acontecer desde perda de membro (amputação), até óbito.


Trombose venosa


É causada pela formação de coágulo (trombo) dentro de uma veia, que é o vaso sanguíneo que leva sangue de volta ao coração.


Imagina uma pessoa:

Caso um: Uma mulher de 37 anos, saudável, que fuma, usa anticoncepcional ou acabou de ter um filho, tem história familiar de trombose e faz uma viagem de avião de 12 horas sem se levantar.

Ao final da viagem a perna está inchada, dura e doendo.

Diagnóstico: trombose venosa!


Caso dois: Um homem de 55 anos, que fuma, tem varizes calibrosas que reluta em tratar, faz uma cirurgia prolongada de 5 horas de duração, que pra se recuperar precisa guardar repouso de alguns dias.

Alguns dias depois a perna esquerda está inchada, dura e doendo.

Diagnóstico: trombose venosa!


Nesses casos, a prevenção está ligada ao controle dos fatores de risco e o tratamento, além do anticoagulante, é feito com meias compressivas e deambulação precoce.


E as consequências da trombose venosa?

Variam desde vida normal depois do tratamento com anticoagulante, até sequela de sintomas circulatórios que chamamos de síndrome pós-trombótica que, bom, preciso de um vídeo sobre isso.


É isso, gente!

Pra não me estender demais vou parar por aqui e veja outros conteúdos direcionados para VOCÊ!


E já vai dizendo aqui nos comentários pra eu te conhecer melhor: seu caso é trombose arterial ou é trombose venosa?




Dra Karolina Frauzino é médica cirurgiã vascular em Brasília-DF, dedicada ao tratamento de doenças venosas e é membro titular da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.